sexta-feira, 17 de julho de 2015

VACINA CONTRA RUBÉOLA, SARAMPO E CAXUMBA

INFORMAÇÃO AO PACIENTE

1. Como este medicamento funciona?
.A vacina sarampo, caxumba e rubéola (atenuada) é utilizada na prevenção do sarampo, caxumba e rubéola, sendo normalmente administrada em crianças acima de 12 meses de idade. O sarampo, a caxumba e a rubéola são doenças contagiosas, comuns na infância.
Eventualmente, estas doenças podem resultar em sérias complicações. Entre as
complicações do sarampo destacam-se: pneumonia, infecção de ouvido, sinusite, diarréia, convulsões, dano cerebral e morte. As complicações da caxumba são freqüentes e em alguns casos também graves, tais como: surdez, pancreatite, miocardite, artrite, nefrite, desordens do sistema nervoso central (encefalite, meningite e meningoencefalite) e orquite (principalmente em adolescentes e adultos do sexo masculino). Além disso, a caxumba pode causar aborto espontâneo em mulheres durante os três primeiros meses de gravidez.
A rubéola é uma doença que pode causar aborto, morte intra-uterina ou má formações no feto, quando a mulher adquire a doença durante a gravidez. A vacina age estimulando o organismo a produzir sua própria proteção (anticorpos) contra as três doenças. A atividade protetora da vacina inicia-se em torno de 15 dias após a vacinação. O efeito protetor da vacina é obtido em 90% a 100% dos vacinados e permanece por no mínimo 18 anos para o sarampo, 8 anos para a caxumba e 20 anos para a rubéola. 
Sarampo, caxumba e rubéola
Nesse caso utiliza-se a vacina tríplice viral. Por ser vírus vivo atenuado não tem alumínio, podendo ser administrada por via subcutânea (SC) ou IM. Adultos até 49 anos de idade devem receber 2 doses na vida, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas.
Quem tem até 19 anos de idade e não sabe se foi vacinado precisa tomar as duas doses de uma só vez. Quem tem entre 19 anos e 49 anos só precisa de uma vacinação. As grávidas não podem ser vacinadas. E quem já foi atingido pela doença não corre risco de contraí-la de novo.

CAXUMBA
Quais são os sintomas da caxumba?
Os sintomas mais característicos são inchaço e dor nas laterais do pescoço, logo abaixo do maxilar. Isso porque o vírus da caxumba provoca inflamação nas glândulas responsáveis pela produção de saliva, que ficam na região. Essas glândulas são as parótidas, as submandibulares e as sublinguais.
As complicações são raras, segundo Isabella. Uma delas é a meningite viral, forma mais branda da infecção que atinge as membranas que envolvem o encéfalo. Outras são a orquite, inflamação dos testículos, e a ooforite, inflamação dos ovários. A caxumba também pode levar à surdez, embora os casos sejam muito raros.

Como prevenir?
A prevenção contra a caxumba é simples: tomar a vacina tríplice viral, que protege contra caxumba, sarampo e rubéola. A vacina deve ser tomada a partir de um ano de idade em duas doses, com intervalo de um mês entre elas.

Como ocorre a transmissão?
A transmissão da caxumba ocorre pelo ar, pelo contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas.

Tem tratamento?
A caxumba não tem um remédio específico. O tratamento consiste em aliviar os sintomas de dor e mal estar e fazer repouso para que o próprio organismo combata o vírus.
 A caxumba é uma doença contagiosa que provoca o inchaço doloroso das glândulas salivares.  A caxumba é causada por um vírus, que se dissemina de uma pessoa para outra através de gotículas respiratórias (por exemplo, ao espirrar) ou por contato direto com itens que foram contaminados pela saliva infectada.

Sintomas da Caxumba
Febre baixa e moderada entre o 4º e o 10º  dia 
Parotidite
Orquite
Meningite asséptica (rara)

SARAMPO
O sarampo é uma doença infectocontagiosa causada por um vírus chamado Morbillivirus. A enfermidade é uma das principais responsáveis pela mortalidade infantil em países do terceiro mundo. No Brasil, graças às sucessivas campanhas de vacinação e programas de vigilância epidemiológica, a mortalidade não chega a 0,5%. A transmissão é diretamente de pessoa a pessoa, por meio das secreções do nariz e da boca expelidas pelo doente ao tossir, respirar ou falar.

Transmissão
A transmissão é diretamente de pessoa a pessoa, por meio das secreções do nariz e da boca expelidas pelo doente ao tossir, respirar ou falar.

Sintomas de Sarampo
Altamente contagioso, o sarampo é propagado por meio das secreções mucosas (como a saliva, por exemplo) de indivíduos doentes para outros não-imunizados. O período de incubação dura entre oito e 13 dias. Depois começam a aparecer os principais sintomas, com o aparecimento de pequenas erupções na pele (exantemas) de cor avermelhada, febre alta, dor de cabeça, mal-estar e inflamação das vias respiratórias, com presença de catarro.
Tratamento de Sarampo
Não existe tratamento específico para o sarampo, apenas para os sintomas.

Prevenção
A doença torna-se mais grave quando atinge mães em período de amamentação, crianças desnutridas e adultos. Vacinar é o meio mais eficaz de prevenção contra o sarampo. A vacina tetraviral é indicada para prevenção do sarampo e está disponível nos postos de saúde para crianças a partir de 12 meses de idade. Outra opção é a vacina tríplice viral.


Sintomas do Sarampo

Febre
Manchas avermelhadas no corpo
Tosse
Coriza
Conjuntivite



RUBÉOLA
O que é rubéola
Rubéola, também conhecida como sarampo alemão, é uma infecção contagiosa causada por vírus e caracterizada por erupções vermelhas na pele. A rubéola é uma infecção na qual há erupção na pele. Na chamada rubéola congênita, a mulher grávida é infectada com rubéola e passa a doença para o bebê dentro do útero. A doença é causada por um vírus disseminado pelo ar ou por contato próximo. Uma pessoa com rubéola pode transmitir a doença a outras pessoas desde uma semana antes do início da erupção até uma a duas semanas depois do seu desaparecimento.

Causas
A rubéola é causada pelo vírus Rubella vírus e é transmitida de pessoa para pessoa, por meio do espirro ou tosse, sendo altamente contagiosa. Uma pessoa com rubéola pode transmitir a doença a outras pessoas desde uma semana antes do início da erupção até uma a duas semanas depois de seu desaparecimento. Ou seja, uma pessoa pode transmitir a doença antes mesmo de saber que tem rubéola.
A doença também pode ser congênita, podendo ser transmitida de mãe para filho ainda durante a gravidez.

Fatores de risco
Ter contato próximo com uma pessoa infectada com rubéola é um grande fator de risco para o contágio
Não tomar a vacina tríplice viral, que age também contra o sarampo e a caxumba, pode tornar a pessoa vulnerável ao vírus causador da rubéola
Recém-nascidos costumam ser a faixa etária de maior risco, uma vez que ainda não foram vacinados contra a doença. Os adultos, por outro lado, não estão livres da rubéola só porque foram vacinados. Pode acontecer de a vacina perder a eficácia e deixar de proteger a pessoa completamente, por isso é recomendável que se tome um reforço da vacina alguns anos após a primeira dose.

Sintomas de Rubéola
Os principais sintomas da rubéola costumam ser leves e difíceis de serem notados, especialmente em crianças. Quando surgem, os sinais da doença demoram geralmente de duas a três semanas após a exposição com o vírus para se manifestar e duram, em média, de dois a três dias. O principal deles é o surgimento de erupções vermelhas pela pele, que aparecem primeiramente no rosto e depois vão se espalhando pelo tronco, braços e pernas. Entre os outros sintomas da rubéola estão:
Febre leve
Dor de cabeça
Congestão nasal
Inflamação nos olhos (avermelhados)
Surgimento de nódulos na região da nuca e atrás das orelhas
Desconforto geral e sensação de mal-estar constante
Dor muscular e nas articulações