quarta-feira, 2 de setembro de 2015

ANGÉLICA, É O NOME DA MENINA QUE NASCEU NO TÁXI DIA 1º DE SETEMBRO DE 2015

Pais de bebê que nasceu em táxi homenageiam Angélica após ligação

BEBÊ NASCEU DENTRO DO CARRO, NO MEIO DE ENGARRAFAMENTO, EM SALVADOR. VÍDEO GRAVADO PELO TAXISTA MOSTRA MINUTO DEPOIS DO PARTO E PRIMEIRO CHORO.



O nascimento de uma brasileirinha nesta terça-feira (1º), em Salvador, fez desse primeiro de setembro um dia inesquecível pra muita gente. Na Bahia e no Rio de Janeiro. A repórter Patrícia Nobre explica.
Que soninho gostoso. Quem vê a filha tranquila e mãe sorridente, não sabe o que essas duas enfrentaram nesta terça-feira (1º).
“Quando foi dando quatro, cinco horas, eu já não aguentava mais, dor pra cá, dor pra lá, minha amiga ajudando”, contou Carla Reis, gerente administrativa.
Carla e a amiga chamaram um táxi. Foi Seu Moisés, um ano e meio de praça.
“Eu tenho dois filhos – um de 10 e um de 14 anos – e assim, pra mim, foi emocionante”, disse o taxista Moisés Santos.
Por quê? Porque logo que entrou no táxi, a bolsa de Carla estourou. Era o sinal de que o bebê estava para chegar. Dez quilômetros pela frente até a maternidade. E um baita engarrafamento.
“O carro não andava mais. Aí ela, para, para, para aqui. Tá saindo! Quando eu botei a mão, eu peguei na cabecinha. Ela: bota força pra baixo!”, lembrou Carla.
A amiga não teve dúvidas: “Eu falei ‘Tá tudo parado mesmo. Vai ter que ser aqui. Força... e aí empurra, minha filha’. E aí nasceu”, contou Cíntia Lira, amiga da Carla.
Um vídeo gravado pelo taxista mostra o minuto depois do parto e o primeiro choro da filhinha de Carla. Como se não bastasse o susto, veio outro!
“Eu fiquei desesperada quando vi o cordão enrolado no pescoço e ela estava meio roxa, a cabeça alta. Mas aí não deixei a emoção tomar conta de mim. Cuidei, fiz massagem cardíaca, coloquei no peito da mãe, no aconchego da mãe e pronto”, disse Cíntia.
É, mas mãe e filha precisavam ser levadas para o hospital. Dois agentes de trânsito abriram caminho até a maternidade. E na porta mesmo, ainda dentro do táxi, a médica cortou o cordão umbilical.
“Nasceu bem, tudo bem”, afirmou a médica.
Durante a gravidez, Carla e o marido não quiseram saber o sexo do bebê. Queriam surpresa. Pensaram em vários nomes: Alice, Lívia, Bernardo, Dácio...O que eles não imaginavam é que o parto seria dentro de um táxi e que um outro nome passou a ser o mais cotado. A ideia de uma médica da maternidade logo ganhou apoio. Chegou até o Rio de Janeiro e provocou um telefonema.
Carla: Alô?
Angélica: Vou de táxi, você sabe, tava morrendo... Oi, Carla!
Surpresa com a ligação, Carla mal conseguia falar.
Angélica: Você tá bem?
Carla: Tô bem, graças a Deus.
Angélica: Que bom!
Carla: O susto já passou.
Angélica: O susto já foi, né?
Carla: Agora é só sensação de alívio.
Angélica: Agora é só alegria. Seja muito feliz, viu? E ensina “Vou de Táxi” pra ela, tá?
Carla: Vou ensinar, vou ensinar a cantar...
Angélica: Bota pra ela dormir que ela já vai aprendendo.
Carla: Viu, pode deixar.
Angélica: Deus abençoe a pequenininha!
Carla: Amém!
Depois do telefonema, veio a escolha:
Jornal Nacional: Tem dúvida quanto ao nome?
Carla: Agora não.
Jornal Nacional: Qual vai ser o nome da princesa?
Carla: Angélica!
“É muito bonito você fazer parte da vida das pessoas, mas fazer parte no momento mais importante da vida de uma pessoa, é emocionante, muito legal”, disse a outra Angélica, apresentadora do Estrelas.
Depois dessa, pode até mudar um pouco a letra da música, né Angélica?
“Vim de táxi, você sabe... Para a maternidade!”, brincou Carla.